sábado, 8 de agosto de 2009

PAPILIO POLYTES


No inicio de 2009, o criador Gonçalo Pereira, sugeriu-me a criação de Papilio Polytes.
Após a minha relutância ter sido derrubada pelas respostas que me deu às inúmeras questões que lhe coloquei, enviou-me 25 ovos das tais borboletas que "têm um voo perfeito e não batem em nada" dizia, "não são como as Papilio Machaon que partem as asas todas".
E para meu espanto, tudo o que me disse, estava correcto.
Além de serem muito fáceis de reproduzir, era uma delicia vê-las a voar dentro do borboletário, em constantes manobras por entre as budeleias sem tocar em qualquer ramo.
Mas voltando ao início, logo que recebi os ovos, fiquei preocupado, que alimentação deveria dar. Daria Laranjeira? ou Arruda? Decidi dar laranjeira, pois pensei ser a planta que menos choque provocaria em relação à alimentação original, do país de origem.
Segunda decisão: Como aqui as temperaturas primaveris começam um pouco mais tarde, as folhas dos Citrus spp ainda não tinham rebentos tenros, apenas as folhas endurecidas da estação anterior, que seriam difíceis de serem comidas, pelas jovens lagartas.
Lá encontrei uma laranjeira que iniciava as suas novas folhas, e levei algumas para começar.
Resultou.
Começaram a comer e a crescer todos os dias, da habitual forma rápida, comum à maioria das lagartas.
Quando já se encontravam no 2º instar, achei que era altura de as colocar nas arrudas, para testar esta alimentação, que estava catalogada nos livros da especialidade, como sendo uma das alternativas.
Não comeram nada.
Falei de novo com o Gonçalo Pereira o e para meu espanto, disse-me que as dele comiam Arruda normalmente, só que cresciam com um pouco mais de lentidão.
Não quis arriscar e decidi continuar a dar laranjeira.
Cresceram, crisalidaram e quando eclodiram, fiquei boquiaberto com aquelas maravilhas.
Tudo o que o Gonçalo tinha escrito, era confirmado. Voo perfeito, facilidade de reprodução e um tom pouco habitual, mas muito bonito, para uma borboleta nascida em Portugal
Uma vez mais, o Gonçalo tinha razão e as suas experiências, descritas no Azeitagis, vinham confirmar definitivamente que ele se encontra, não só na linha da frente, mas sim no primeiro lugar dos criadores de lepidópteros, em Portugal.

2 comentários:

Mangela disse...

Olá pesquisando sobre a borboleta azul,deparei-me com seu blog..vc
saberia me informar a catalogação científica da borboleta azul? Obrigada...meu e-mail para contato
dramangela@gmail.com
direito ambientalista.

fabi disse...

olá
preciso muito da sua ajuda e experiência.Ontem entrou uma borboleta no meu trabalho mas quando ela pousou,ficou em forma de pedra. Eu nunca vi isso!
Por favor me dê um retorno
Fabybazan@gmail.com
Obrigada.